14 de julho de 2015

Dicas de IELTS (International English Language Testing System) - para processo de imigração e/ou equivalência de diplomas (Canada/Australia)




Texto e dicas para o exame IETLS - Paula Astardjian - que está no processo de imigracao para o Canada.

Sobre o IELTS
by Paula Astardjian

Assim que entendi que o que eu queria na minha vida era imigrar para o Canadá entrei para o grupo de pessoas que tenta magicamente saber por onde começar. Não apenas existem mais de 50 maneiras de imigrar para esse lindo país como existem diversas exigências burocráticas de como fazê-lo e uma das mais importantes é o teste de proficiência do idioma. Caso você decida imigrar para a província de Quebec é necessário que a primeira língua seja a francesa, para as demais províncias a língua primária será o inglês.

Os testes disponíveis para a validação da sua habilidade no idioma inglês são o CELPIP e o IELTS. 



O CELPIP é um exame feito por uma organização de línguas canadense e que tem valor apenas para os que vão imigrar para o país (e é aplicado apenas em território canadense) enquanto que o IELTS é um exame ministrado por Cambridge e validado pelo British Council e que atende todos os processos de imigração dos países ligados à coroa britânica (Nova Zelândia, Austrália, Canadá e países do Reino Unido). Não saberia dizer quais dos dois é mais fácil, no entanto o IELTS por ser mais procurado tem mais informações disponíveis e mais material de apoio na internet.
Assim que efetuei minhas primeiras pesquisas me deparei com o curso preparatório da Cultura Inglesa para o IELTS. Não sou uma pessoa muito disciplinada e como a própria Cultura Inglesa também aplica o teste achei que não podia ser melhor sinal para que tirasse o maior proveito dessa oportunidade. Fiz a inscrição para o curso e o teste no mesmo dia, coincidentemente o curso com duração de dois meses acabava na mesma semana do teste, maravilha!! Foram 2 meses de curso (terças e quintas das 20.20 às 22.00) utilizando o livro base do IELTS para consulta e exercícios e com muitos simulados de Listening e Speaking. Atenção! A Cultura Inglesa apenas aceita alunos com níveis avançado e fluente para este curso porque o intuito não é o de ensinar inglês, mas sim de te treinar para o teste como se fosse um cursinho de vestibular mesmo. O mais bacana é o material online disponibilizado para os alunos para que possam estudar em casa que são específicos para o exame do IELTS. O curso não é barato foram R$1.500,00 em 3 vezes e mais R$500,00 do exame que devem ser pagos no momento da inscrição. Mas honestamente, tem bastante material na internet – alguns simulados no próprio site do British Council, youtube, blogs especializados no exame e algumas comunidades do FB que compartilham informações sobre o teste e alguns exercícios para testar a sua proficiência.

Sobre o IELTS agora: o teste tem 4 partes – Speaking, Listening, Reading e Writing. existem dois tipos de teste o Academic e o General. No meu caso que estou aplicando como Skilled Worker para o Canadá pelo Express Entry prestei o General que é menos específico para as partes de Reading e Writing, isso quer dizer, são textos mais amplos e temas mais abrangentes pois não exige muita habilidade analítica. Para as pessoas que estão pretendendo imigrar a fim de estudo deve ser prestado o Academic que pelo próprio nome já indica a finalidade. O Listening e Speaking de ambos são iguais. As quatro partes podem ser feitas no mesmo dia de acordo com a disponibilidade de horários e interesse do candidato, ou seja, o Speaking é feito pela manhã individual e os demais são feitos a partir das 13.00 (horário de Brasília) em uma sala com os demais candidatos do dia ou pode ser agendado na semana seguinte, eu preferi fazer tudo junto. As salas devem possuir umas 20 pessoas, com bastante espaço entre as carteiras para que não haja possibilidade de cola. Os assentos são marcados em ordem alfabética pelo sobrenome desse modo não há como escolher onde sentar.



SPEAKING – estava bem nervosa para esta parte por não saber qual seria o tema, que pelos simulados que fizemos em aula poderia ser desde análise sobre consumismo até utilização inesperada de um objeto de plástico (!!). Como tendo a ser engraçada podia me dar mal por parecer não levar a sério o teste. A examinadora era uma mulher bem simpática o que me deixou bem relaxada logo na hora em que entrei na sala. Ela começa com algumas perguntas bem básicas como qual meu nome, se eu trabalhava ou apenas estudava, quais eram meus hobbies e o que eu gostava de fazer nos finais de semana. O meu tema foi sobre filme e séries e como os programas de televisão influenciam nas nossas vidas. Para a segunda parte o examinador te dá um cartãozinho com algumas perguntas sobre o mesmo tema e o candidato tem 1 minuto para se preparar (também é fornecido papel e lápis para a preparação). O importante aqui é que o seu speech cubra todas as questões apresentadas no cartão, pode falar em sequencia, pode falar tudo misturado, mas não deixe de responder às questões. Serão 2 minutos para esta parte e o examinador dirá quando o tempo acabou. Na terceira parte o examinador coloca uma questão para que seja debatida ainda no mesmo tema do speaking, no meu caso ela perguntou o que eu achava sobre programas para crianças e como a disponibilidade de equipamentos poderia influenciar a educação delas. Nada muito complicado, mas uma dica que aqui é válida é, se nunca passou pela situação apresentada invente... seja criativo e invente uma situação X que faça com que você possa demonstrar o seu conhecimento do idioma, mesmo porque eles não estão testando a veracidade da sua história mas o quanto de domínio você tem. Não tem problema errar e se desculpar e voltar na mesma frase, aliás os próprios professores indicam que você faça isso, demonstra compreensão sore o que está sendo dito. Tem bastante material no youtube sobre o speaking com as notas de cada exemplo, então não desespere que o maior inimigo nessa parte da prova é o nervosismo.



LISTENING – este teste é o considerado de maior dificuldade pois além de testar o seu entendimento as questões não são tão intuitivas, muitas vezes temos que “transformar” o que foi ouvido para que se encaixe na questão do exame. São 40 questões para 3 a 4 trechos de conversação e nem todas são de múltipla escolha e ainda assim no trecho todas as alternativas são faladas, deve ser selecionada à que responde a pergunta. O trecho é ouvido apenas uma vez porém existem alguns minutos antes do áudio para que as questões possam ser lidas pelo candidato. Uma dica importante aqui é se você não conseguiu ouvir ou não entendeu a resposta vá em frente e siga para a próxima questão porque é muito provável que você perca as demais se não acompanhar o áudio. Além das questões de múltipla escolha tem as de completar a frase e no teste que eu fiz um mapa para apontar as localizações – em um simulado era um barco para identificar as peças. Escreva as respostas no próprio caderno de questões, depois do final do áudio são fornecidos 10 minutos para passar as respostas para a folha de respostas, escreva o mais legível possível.  Não achei o Listening complicado, mas foi o que eu mais treinei porque para ter o CLB 9 a nota do Listening deve ser 8, a maior de todas, e vamos combinar 8 de 9 não é nada fácil, existem vários podcasts para treinar a audição que vale a pena serem ouvidos, ouvi bastante o ESLPod (english as a second language podcast) que é inglês americano mas com certeza existem os britânicos, não me senti penalizada por essa diferença. E estava quase esquecendo!! Atenção no spelling!! Palavras escritas erradas ainda que sejam as corretas são consideradas erradas e para este teste ponto é vírgula e vírgula é ponto (6.500 = 6,500), isso também conta como erro e não se esqueça das maiúsculas em dias da semana e meses. 



READING – O Reading pra mim foi o mais cansativo porque são 3 textos (pequeno, médio e grande) que variam de complexidade entre o texto em si e as questões, ou seja, os texto menor tem as questões mais difíceis de entender enquanto que o texto mais longo tem questões mais simples de serem compreendidas. Aqui de novo não são apenas questões de múltipla escolha, tem as de completar a frase, de fazer a identificação entre letras e números e o mais complicado que é o True, False e Not Given, esse Not Given parece pegadinha mas é bem complicadinho, basicamente é, se não está explícito no texto a informação não foi dada. A dica deste teste é praticar para entender qual a melhor estratégia para cada candidato, as perguntas seguem a sequencia do texto, então se você achar que prefere ler a pergunta e “scannear” o texto pra achar a resposta e já seguir para a seguinte, vá dessa maneira, você efetivamente não lerá o texto. Particularmente não me senti bem lendo perguntas que não sabia sobre o que tratavam, fui no modo mais arcaico mesmo, lia o texto e depois seguia para as questões, é o jeito mais demorado mas é o que me senti mais confortável. Atenção que o tempo é curto!! São 60 minutos para 40 questões, essa é a maior dificuldade do Reading. Terminei com 10 minutos de antecedência, mas eu leio bastante e leio rápido (ainda que em inglês) o importante aqui é treinar para identificar qual o método mais rápido e assertivo. Neste teste não há tempo extra para passar as respostas para o caderno de resposta, meu conselho é passar as respostas conforme terminar as seções, que devem ser a cada 5 ou 10 questões. E aqui vale aquela máxima de vestibular, geralmente a sua primeira resposta é a mais correta, nos dez minutos que me sobraram me esforcei ao máximo para não rever nada para não mudar a resposta na última hora. Deu certo!



WRITING – essa foi a minha pior nota não só porque tenho uma leve dislexia (que percebi fazendo a prova) como já estava extremamente cansada para criar textos com a complexidade e coesão necessária. São dois textos um de 150 palavras e outro de 250 palavras, o segundo conta mais pontos então a sugestão é que se comece pelo segundo texto. Eles contam a quantidade de palavras do texto?? Não necessariamente, apenas quando o texto aparentemente é muito curto, por isso vale a pena exercitar a imaginação um pouco e entender na sua escrita qual o “tamanho” de um texto de 150 e 250 palavras. O texto mais curto pode ser escrito em linguagem informal e no meu caso era um e-mail a ser escrito solicitando um treinamento, nada muito complexo. O segundo era para discursar sobre os impactos do envelhecimento da população na sociedade moderna. Nesse é preciso trabalhar na linguagem escrita, utilizando os tempos verbais mais complexos e demonstrar habilidade em apresentar ideias contrárias, preste atenção na montagem do texto – parágrafo pequeno para introdução, dois parágrafos médios para apresentação do tema e um parágrafo médio para conclusão, não tem como errar. Devo ter perdido pontos pela coesão do texto, acabei divagando um pouco e não tive força de vontade para reescrever, mesmo porque ainda tinha o outro texto a ser feito. Terminei o exame em cima do tempo. Estava absolutamente exausta quando saí da sala de exames, com tontura até.

O resultado do teste sai em 10 dias úteis, mais ou menos 15 dias corridos. O legal de se fazer o teste pela Cultura Inglesa é que eles te mandam e-mail para confirmação do exame (com data e horário) e confirmando a data de liberação da nota e até a disponibilidade do certificado em PDF.

Segue uma cópia do meu exame:
 

E esse é o link de algumas dicas do próprio Bitish Council sobre o teste, todos deveriam dar uma olhada, dicas simples e que fazem toda a diferença na hora H.

A dica máxima é treinar, treinar, treinar, não que a prova vai ser igual ao simulado, mas você vai saber o que fazer e como fazer, e o fator nervosismo não atrapalha tanto porque nada vai ser novidade.

E... por último... GOOD LUCK!!!
 
 

6 comentários:

Anônimo disse...

Gostaria de flr cm vcs. Me mandem um e mail
leooliveira01999@hotmail.com
Ou deixem o de vcs por favor. Obg

Alex Boeira disse...

Ola Leonardo, ja respondi seu email. Abraços. Alex

Olá Canadá disse...

boa!
Estamos nos preparando. Vamos no ano que vem para Vancouver!
Olá Canadá - Viagem & Turismo!

Abraços,
Dan & Jo

Fabiana Magalhaes disse...

Ótimo post! Obrigada pelas dicas!

Luiz Henrique disse...

Olá, saiu o resultado?

Marco Almeida disse...

Bom Dia, fui informado que para fazer um College é preciso um valor em dólares para o curso e mais US$10.000 pra despesas pessoais. Você sabe dizer se isso procede, qual a média de valores do College e se podem ser pagos mês a mês enquanto trabalhando lá?
Grato